SÉRIE: NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA... - Parte 2

2. FAÇA DE UMA PEDRA UM MARCO DE GRATIDÃO

“Tomou, então, Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e lhe chamou Ebenézer, e disse: Até aqui nos ajudou o Senhor.” (1 Samuel 7.12).

Este era um tempo de calamidades nacionais, espirituais e sociais na vida do povo de Israel. Estavam na terra da promessa, vivendo fora das promessas do Eterno. Uma das marcas deste tempo tenebroso era:

a. O sacerdócio havia se corrompido. Os filhos de Eli estavam preocupados consigo mesmos, com suas festas, roubavam do altar e dormiam com as serviçais. A partir da liderança espiritual de Israel, não havia temor de Deus. Por conta disso... Deus pouco falava a nação: “Naqueles dias, a palavra do Senhor era mui rara; as visões não eram freqüentes...” (1 Sm 3.1).

b. Outra marca era a fraqueza moral da nação. Um povo sem firmeza nos caminhos do Senhor. 

c. Outra marca eram as derrotas sucessivas para os adversários. Duas guerras conduzidas pela liderança torta geraram desgraça na nação. Mortes de guerreiros, temor pelos inimigos, perda da Arca que simbolizava a presença do Eterno no meio do seu povo. A síntese deste tempo é descrita por uma palavra: Icabode: foi-se embora a glória de Deus (1 Sm 4.21).

Na vida muitas vezes passamos por  situações que nos fazem perguntar: onde foi para a glória de Deus? Derrotas, humilhações, vergonha, frustrações, equívocos decorrentes da falta de visão de Deus e seus caminhos... 

É muito fácil neste tempo o coração empedrar. Dureza, indiferença, revolta, inquietação, ira,  murmuração. O povo que saiu do Egito sob a liderança de Moisés, parou defronte ao Mar Vermelho e murmurou, teve saudades das cebolas do Egito, desejou voltar a escravidão do que morrer naquele lugar...

Samuel nos ensina  “botar uma pedra encima disso tudo”! Samuel é uma liderança levantada por Deus no meio do caos sacerdotal. Com padrões distintos e uma visão diferenciada dos problemas da vida. Ele leva o povo ao clamor, a confissão de pecados, a intercessão... Samuel entendia que nenhuma vitoria viria, se dos céus não lhes fosse dada. A isso as palavras do Evangelho de Jesus são claras: “O homem não pode receber coisa alguma, se do céu não lhe for dada” (Jo 3.27).

Diante da mudança de atitude, Deus guerreira por Israel, aterroriza os inimigos, derrotas na peleja e lhes concede sobrenaturalmente a vitória. Tremenda vitória. “Assim os filisteus foram abatidos e nunca mais vieram ao território de Israel, porquanto foi a mão do Senhor contra eles todos os dias de Samuel” (1 Sm 7.13).

Diante de tudo isso, Samuel toma de uma pedra e faz dela um marco: marco de vitória, símbolo de gratidão diante das adversidades da vida. Este seria um altar que permaneceria para lembrar que batalhas nós temos, erros cometemos, mas Deus está disposto a nos ajudar e guerrear nossas guerras quando temos um coração voltado para a santidade. Faça das tuas derrotas, das batalhas contra teus piores adversários um altar, uma marca de gratidão e louvor... porque até aqui, nos ajudou o Senhor!

Carlos Jr